Seja bem-vindo. Hoje é

1 de agosto de 2013

CARUARU E MUNICÍPIOS DA AIS-14 REGISTRAM MARCA HISTÓRICA NO COMBATE A HOMICÍDIOS




       O combate à criminalidade é sempre uma tarefa árdua e composta por diversos fatores que concorrem negativamente para o seu controle, mas um dado, em particular, vem tendo registro positivo de diminuição que evidencia o trabalho da Polícia Militar, através do 4º BPM, e da Polícia Civil. Neste contexto, no mês de julho, os registros apontaram uma redução histórica, pois Caruaru teve apenas dois homicídios, enquanto que a Área Integrada de Segurança 14 (AIS-14), composta por 15 municípios (inclusive Caruaru), computou apenas cinco homicídios.

       A média histórica na região é de 18 CVLI (Crimes Violentos Letais Intencionais) ou homicídios ao mês. A marca recorde leva em consideração os últimos 10 anos, período iniciado em 2004, quando começou o registro oficial e de acompanhamento mais preciso do número de CVLI no Estado. Assim, o número pode ser o menor em mais de 10 anos.

       O menor registro de mortes em Caruaru, até então, foi registrado em outubro de 2009, quando ocorreram 5 CVLIs. Já na AIS-14, o melhor resultado era o de agosto de 2011, com 12 homicídios. A diminuição nos números de mortes violentas em Caruaru e região ocorre desde abril deste ano, coroando as atividade preventivas e repressivas do 4º BPM, comandado pelo tenente-coronel Marcos Campos, revertendo uma tendência preocupante do primeiro trimestre, e representando uma diminuição anual de 4% em relação a 2012.

       As polícias comemoram a conquista, pois muitas vidas foram poupadas e assim ajudaram o Estado a controlar os números na busca de uma redução de 12%, prevista no programa Pacto Pela Vida.


AIS-14 – Abrangência de 15 municípios no Agreste: Caruaru, Riacho das Almas, Cupira, Altinho, Ibirajuba e Lagoa dos Gatos, Panelas, Jurema, Bezerros, Barra de Guabiraba, Bonito, São Joaquim do Monte, Camocim de São Félix e Sairé

Um comentário:

  1. Muita luta e muito esforço de toda tropa mesmo tirando o nosso descanso, poderíamos fazer muito mais

    ResponderExcluir